Image Map
CATEGORIAS FECHADAS:
DESIGN SIMPLES


PREVISÃO DE ABERTURA:
15/02
Image Map

RESENHA: Sierra Burgess Is A Loser


SIERRA BURGESS IS A LOSER
DIREÇÃO:  Ian Samuels


SINOPSE: Uma mensagem enviada por engano dá início ao romance virtual entre uma nerd e um atleta. O problema é que ele acha que está falando com uma popular líder de torcida.

Gêneros: Filmes adolescentes, Romances adolescentes, Comédias, Comédias românticas, Comédias adolescentes, Filmes românticos


RESENHISTA: RddleWho


RESENHA DE FILME

APRESENTAÇÃO DA OBRA: Irei falar sobre a primeira impressão que tive do filme, o pós assistir ao filme e sobre o filme em si. ALERTA SPOILER, irei avisando desde já!
A protagonista da história Sierra Burgess (Shannon Purser) é uma garota não popular, é a clássica garota nerd de aparência pré julgada que passa a se relacionar virtualmente com Jamey (Noah Centineo) após uma ação de bullying feito por Verônica (Kristine Froseth), onde Jamey conhece Verônica em uma lanchonete e resolve chama-la para sair, e a garota com o intuito de causar importuno e praticar bullying passa o número de Sierra. A partir daí Jamey e Sierra passam a trocar mensagens, sendo que Jamey a todo tempo pensa estar conversando com Verônica. Toda a história e conflito passam a se desenvolver a partir daí.

ESTRUTURA DA OBRA: O filme é uma produção da Netflix com duração de 1h e 45min, e eu costumo amar os trabalhos da netflix, mas esse eu apenas gostei. A obra tem pôster, trailer e uma música (bem boa) que se tornou o ponto alto do filme. Apesar da música ter um contexto muito bom e ser original para o filme, ela não gruda completamente a história, porque o enredo começa com uma pegada e termina com outra, mas isso vocês poderão ler mais para frente. Sobre o pôster, ele remete muito sobre o filme, com certeza ele é um ponto bem alto, ele deixa claro totalmente a essência da história, onde Jamey acredita ser apaixonado por Verônica, Sierra com uma cara de “tô fazendo besteira” e Dan claramente não está aprovando nada daquilo. O trailer também é um ponto forte, representa bastante o filme, representa tanto que é praticamente  o filme inteiro ali, mas bem, é um bom trailer, passa bastante sobre a história e é convidativo.

ANÁLISE DA OBRA: O filme se inicia com Sierra se olhando no espelho e dizendo para si mesma que é uma mulher maravilhosa. Logo de início temos a imagem de uma personagem que se aceita como é, que não se importa com a aparência que causa com as roupas que veste e etc. Ela tem um melhor amigo que se chama Dan, cujo a princípio é o personagem que tem o relacionamento mais consistente com ela. Em contrapartida temos Verônica, que já aparece na história como a bad-girl, a típica garota popular cruel com suas seguidoras; o que já  deixa claro para nós o contexto clichê do que a personagem dela representa. Com tudo isso podemos chegar a conclusão de que Sierra Burgess é inicialmente o clichê de filmes que todo mundo ama e não se cansa de assistir. MAS pensaram errado meus caros, a trama se desenvolve com um contexto bem legal até, mas deixa muitas falhas, principalmente com a veracidade e consistência na personalidade dos personagens.
Ao decorrer do filme você nota já de cara que Sierra não é aquela garota poderosa que você criou na sua imaginação. Ela tem sim problemas de auto aceitação, e isso fica bem notório quando ela de forma alguma quer revelar sua verdadeira identidade para Jamey, e continua mentindo para o garoto, fazendo com que ele acredite que tem um relacionamento com Verônica. Mas vamos por partes, estou me adiantando por aqui.
Sierra e Verônica passam por um conflito, e Verônica claramente não deixaria barato, logo na primeira oportunidade, Verônica, para se livrar de um garoto se aproveita para fazer uma pegadinha com Sierra, e como eu disse, esse é o ponto alto da história, onde tudo passa a acontecer.

~ALERTA SPOILER~
Logo de cara a protagonista percebe que é um engano, que Jamey pensa que ela é uma outra pessoa, e resolve prosseguir com o anonimato. O que só piora as coisas! Ela começa a esconder tudo que possa ligar diretamente a pessoa dela, todas as maneiras que possam fazer Jamey descobrir que ela não é quem ele pensa que é. Jamey começa a se apaixonar pela pessoa que ele conversa e passa a se envolver mais e mais com ela, até que ele resolve avançar as coisas, ele quer vê-la, e esse avanço é outro ponto que começa a transformar a história.
Dan alerta Sierra desde o princípio que é uma péssima ideia levar isso adiante, mas obviamente ela não dá bola, né? Quem daria!

Agora vamos falar da Verônica haha. Ela é apaixonada por um carinha da faculdade e quer se tornar uma garota inteligente para chamar a atenção dele. Assim que Sierra descobre, resolve trocar favores, onde Verônica a ajuda a enganar - você não leu errado, eu disse enganar - Jamey e em troca ela ajuda Verônica com os estudos. E assim começa a amizade delas.
Elas se tornam muito amigas ao decorrer desse período de trocas, os planos de Sierra dão certo e ambas conseguem enganar Jamey. Até que acontece o beijo entre Verônica e Jamey, Sierra literalmente surta e se torna uma pessoa totalmente maldosa.
Óbvio que em algum momento isso iria acontecer, afinal eram os planos desde o princípio, e quando aconteceu Sierra simplesmente fez a maluca e começou a fazer m**** atrás de m****.
Óbvio que no final tudo é lindo e perfeito e tudo dá certo e Sierra fica com o garoto do jeitinho que ela é.
O filme tem alguns pontos bons, mas também tem bastante pontos ruins, mas isso fica para o próximo tópico haha

RECOMENDAÇÃO DA OBRA: É um filme que eu recomendaria para passar o tempo, mas também é aquele tipo de filme que te coloca para pensar, sabe? Porque é certamente um filme problemático em vários aspectos, a começar pela personalidade da protagonista que é completamente bipolar. Ela começa como uma garota forte e consistente, e termina como uma menina medrosa e boba. Você começa o filme achando que é sobre empoderamento, que vai passar alguma mensagem de fato  importante, mas se torna apenas mais um clichê. Ela mente, ela se esconde, ela não se aceita como é. Além do fato de problematizar o tempo inteiro sobre ser alguém fora dos padrões de aceitação para o cara que ela gosta, então logo podemos concluir que ela não é aquela garota do início da história, além do fato dela se diminuir porque acha que não cabe no mundo de um cara. Existem muitos furos na construção da personalidade da personagem.
A personagem mais consistente da história sem dúvida alguma é a Verônica, que é apresentada como uma garota má e mesquinha, mas que no final das contas existe um leque de porquês dela ser assim. A garota sofre pressão em casa, e de si mesma. E a forma que o filme passa isso para o telespectador é bem clara, não fica dúvidas sobre quem ela é.
O Dan, bem, esse é outro personagem que para mim foi muito bem construído. Ele tem o raciocínio lógico ótimo, até parece que ele é o único ser pensante do filme, porque as outras duas só viajam mesmo.
Jamey também é um personagem que senti falta de uma consistência. Ele é um cara inteligente, e também é quarterback. Tem um irmão com deficiência, e isso é mencionado no filme, mas no meu ponto de vista é algo que poderia ter sido mais explorado, até mesmo para ligar mais ao contexto do personagem. Senti falta disso, da profundidade na história dele, afinal de contas ele é um dos protagonistas.  

IDENTIFICAÇÃO DO AUTOR: Eu nunca havia assistido filme desse diretor, e a recepção não foi das melhores. Ian dirigiu mais três filmes além de Sierra Burgess. Achei o filme claramente problemático, como puderam ver, mas também não chega a ser um filme que eu não recomendaria. É um clichê adolescente, quem não ama um bom clichê adolescente?
A base do filme é boa, é consistente, e poderia ter dado muito certo se ele tivesse se prendido a personalidade da Sierra e se aprofundado mais nos personagens secundários. O filme é bom, mas para a imagem que quer passar deixa muitos furos e acaba gerando uma imagem contrária. Na real, a “vilã” se torna sua personagem favorita. Isso aqui por acaso virou Wicked? Bem, é isso, eu não tenho muito mais o que falar, claramente o filme não está no top dos meus faves, mas como eu disse, vale a pena assistir.

AVALIAÇÃO FINAL

3,0/5,0


1 comentário:

  1. Concordo totalmente e só queria acrescentar algumas coisinhas (críticas negativas, acho que você foi super generosa em relação a elas):
    A indústria hollywoodiana sempre supõe que uma mulher não pode ser empoderada e feliz caso ela não esteja vivendo um romance (mais comumente, caso não esteja acompanhada e um macho). Por isso mesmo é extremamente comum que as histórias se desenrolem à partir da problemática "ela finge que é feliz, mas na verdade é amargurada". Só daí já existem inúmeros problemas ligados ao machismo que o filme falsamente combate.
    Os problemas de catfishing nem deveriam precisam mais ser falados, cara, ela ENGANOU o menino!!! Ele beijou uma pessoa pensando ser outra!!! Não dá pra diminuir o impacto disso não, foi uma mentira, foi cruel e foi feio! Transmitir isso e mostrar que, no final, ela não sofreu consequência NENHUMA e simplesmente conseguiu o que queria é altamente problemático, mais ainda se você levar em consideração o público que consome esse tipo de conteúdo.
    Para finalizar, o filme mostra ela se escondendo atrás da imagem de que é insegura, como se o fato de ser insegura (ser um maldito sunflower) justificasse todas as merdas que ela fez. Ela age o tempo inteiro como se as pessoas ignorassem ela porque ela é fora dos padrões de beleza, mas na realidade ela é escrota pra um caralho, quem age desse jeito e toma esse tipo de atitude nem é gente, tem que ignorar mesmo essa fudida. E é justamente aí que mora mais um problema, voltando para o que falei inicialmente, eles agem como se o fato dela não viver um romance e ser "isolada" sempre fosse resultar em ela se transformar em uma pessoa ruim. Daí desencadeiam uma série de preconceitos e ZzzzZzzZzz

    No fim, como costumo dizer, enfia o Sunflower no cu, Sierra!

    ResponderEliminar

Image Map
Image Map
Codification and Design: RddleWho | Pagination and Design: Madame Gorgona and Purple Dynamite | Todos os direitos reservados © Moodboard